:: Causo de corrida ::

Já dizia o meu velho camarada Jô Amado: mesmo com todos os esforços de Homero, Shakespeare e muitos outros, ocorre que o “causo” nasceu em Minas Gerais. Como de fato é mesmo. E quem disser o contrário, que prove. Segue, portanto:

Foram cerca de 500 quilômetros adentrando as Minas Gerais, na rota que ganhou o nome de um tal “Caçador de Esmeraldas” que, na verdade, era caçador de índios. Mas um trecho de cerca de 100 quilômetros ganhou ares de uma corrida insana. E desproporcional: um caminhão-carreta gigante contra um caminhãozinho-baú. E cada um com “cargas”, ou propósitos, bem distintos: um transportava uma carga pesada, condenada à morte, sofrível; o outro levava cultura, leve.

A “corrida” não fazia sentido, cada qual teria seu destino. Mas ela se fez no espaço comum que compartilhamos: a estrada e aquele trajeto abençoado por um dia iluminado.

Um detalhe, porém, instigou a ‘provocação’ e a disputa. Um detalhe que foi disputado metro a metro, quilômetro a quilômetro, com o grandão ganhando vantagem no passe rápido do pedágio, provável e exatamente por causa do mesmo motivo da corrida maluca.

O fato de o grandão estar à nossa frente não incomodava, em absoluto. Mas o rastro olfativo que emanava, auxiliado pelo vento, tornou-se um monstro a ser derrotado. As ultrapassagens foram lá e cá, dando margem à comemoração temporária de um e outro. Mas as pequenas vantagens que conseguíamos nos trechos de aclive eram rapidamente recuperadas pelo grandão nos trechos de declive.

Mas aí, o detalhe: a carga do grandão se fazia de uns 200, ou mais, cachaços, uns mamíferos bunodontes, artiodáctilos, não ruminantes, ou simplesmente porcões bonitos indo a caminho do abatedouro, destinados a se transformar em torresmos e fartos churrascos. Pobre e cruel destino da vara, que lamentamos sensibilizados na corrida.

O infortúnio dos coitados suínos, porém, não foi suficiente pra evitar induzir à peleja na estrada: o instinto de sobrevivência foi maior, e ultrapassar aquele odor exalado dos pobres porcos se tornou motivo de comemoração. E alívio.

Um comentário sobre “:: Causo de corrida ::

  1. certa feita, voltando de um job numa plantação de pés de café, tardezinha, estradinha de roça, cerrado mineiro, a bike azeitada, e uma descida linda. na subida, a bike ganhando peso, o cansaço tomando corpo e, numa curva, três caminhões levando os porquinhos da granja para a cidade enfileiraram na frente. o jeito foi parar num pé de goiaba, pitar um cigarrinho e esperar o vento passar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *