:: Bricolagem musical ::

Há tempo, muito tempo,
estou longe de casa.
Aliás, minha casa não é minha
(será meu esse lugar?).
Sou apenas um rapaz (nem tão rapaz) latinoamericano, sem dinheiro no banco.
Mas vou levando a vida assim,
levando pra quem me ouvir:
certezas e esperanças pra trocar
por dores e tristezas que,
bem sei,
um dia ainda ainda irão findar.
Se trago as mãos distantes do meu peito
É que há distância entre intenção e gesto
E se o meu coração nas mãos estreito,
Me assombra a súbita impressão de incesto.
Tudo muda.
Mas não muda meu amor.
Por mais longe que eu me encontre.
Por que se chamavam homens,
também se chamavam sonhos,
e sonhos não envelhecem.
Já sei que já não sou, nem sei quem sou.
Abraça essa ternura de louco que há em mim.
Derrete com teu beijo a pena de viver.
Sob a luz da lua
mesmo com sol claro
não importa o preço que eu pague
meu negócio é viver.
E…
o mundo lá sempre a rodar.
Em cima dele, tudo vale.
Quem sabe isso quer dizer amor.
Estrada de fazer o sonho acontecer!

Porque sim: sim, eu posso sonhar e querer tudo, tudo outra vez!